quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Sintonia



"Pedi e vos será dado; buscai e achareis; batei e vos será aberto". (Mateus, 7:7.)
Todas as coisas que existem no Universo vivem em regime de afinidade. Desde o átomo até os arcanjos tudo é atração e sintonia. Nada que te alcança a existência é ocasional ou fruto de uma reação sem nexo.

Teu livre-arbítrio indica com precisão a posição que ocupas no Cosmo, uma vez que cada indivíduo deve a si mesmo a conjuntura favorável ou adversa em que se situa no momento atual.

Vieste da inconsciência - simples e ignorante - e, pela lei da evolução, caminhas para a consciência escolhendo a estrada a ser percorrida.

* Encontrarás o que buscas.
* Tens a posse daquilo que deste.
* Convives com quem sintonizas.
* Conhecerás o que aprendeste, mas somente incorporarás na memória o que vivenciaste.
* Avanças ou retrocedes de acordo com a tua casa mental.
* Felicidade e infelicidade são subprodutos de teu estado íntimo.
* Amigos são escolhas de longo tempo.
* Teu círculo doméstico é a materialização de teus anseios e de tuas necessidades
de aprendizagem.
* Pelo teu jeito de ser, conquistarás admiração ou desconsideração.
* O que fizeres contigo hoje refletirá no teu amanhã, visto que o teu ontem decidiu o teu hoje.

Com teus pensamentos, atrais, absorves, impulsionas ou rechaças. Com tua vontade, conferes orientação e rumo, apontando para as mais variadas direções. Disse Jesus: "Pedi e vos será dado; buscai e achareis; batei e vos será aberto".
Sintonia é a base da existência de toda alma imortal. Seja na vida física seja na vida astral, a lei de afinidade é princípio divino regendo a ti, a todos os outros e a tudo.

Observa: viver no drama ou na realidade, na aflição ou na serenidade, na sombra ou na luz, é postura que está estritamente relacionada com teu modo de sentir, pensar e agir.
**************************
Hammed 
 
 

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Resposta Fraternal



Solicitas uma orientação para teus passos, guardando fadiga e abatimento.
*
Trazes contigo o cansaço e a desilusão, à maneira do viajor transviado na escuridão noturna, suspirando pelo retorno à bênção luminosa da madrugada.
*
Entretanto, quem se refere à orientação, diz harmonia e ajustamento.
*
E somente Jesus é bastante sábio para guiar-nos com segurança.
Refugia-te, no santuário da prece e roga-Lhe inspiração.
*
Antes, porém, alija das sandálias o pó que trazes do caminho de nossos antigos enganos.
*
Perdoa a quem te feriu, recordando quantas vezes temos sido tolerados pela Misericórdia Divina.
*
Não retribuas mal por mal, compreendendo o imperativo do bem para que a paz nos esclareça.
*
Lembra-te de que o trabalho é o dissolvente de nossas mágoas, e auxilia sem distinção, na certeza de que, na alegria dos outros, encontrarás alívio e consolação aos próprios pesares.
Não invejes a prosperidade alheia, porque ninguém sai, na Terra onde se oculta a verdadeira felicidade, de vez que, em muitas ocasiões, o palácio esconde chagas de treva e a choupana desguarnecida permanece aureolada de luz.
*
Solve tuas dívidas com o sorriso de quem se liberta. Mais valem o suor e as lágrimas no dever que as vantagens transitórias na indiferença.
*
Rogas orientação para que a tranquilidade te favoreça.
*
Não olvides, no entanto, suplicar ao Senhor a força precisa para que te não desvencilhes da própria cruz... da cruz que te garante a necessária vitória espiritual para a vida que nunca morre.
*
Consagra-te ao serviço e à caridade, ao aperfeiçoamento de ti mesmo e à renuncia edificante.
*
Avança hoje na estrada pedregosa das obrigações retamente cumpridas e, amanhã, em te despedindo do corpo da Terra, teu coração, convertido em estrela de amor, será com Jesus um marco celeste orientando as almas perdidas, no vale das sombras, para que atinja contigo a felicidade do Eterno Bem.
************
  Emmanuel
Chico Xavier 


terça-feira, 17 de janeiro de 2017

A Pobreza Feliz


Quem se empobrece de ambições inferiores, adquire a luz que nasce da sede de perfeição espiritual.
*
 
Quem se empobrece de orgulho, encontra a fonte oculta da humildade vitoriosa.
*
Quem se empobrece de exigências da vida física, recebe os tesouros inapreciáveis da alma.
*
Quem se empobrece de aflições inúteis, em torno das posses efêmeras da Terra, surpreende a riqueza da paz em si mesmo.
*
Quem se empobrece de vaidade, amealha as bênçãos do serviço.
*
Quem se empobrece de ignorância, ilumina-se com a chama da sabedoria.
*
Não vale amontoar ilusões que nos enganam somente no transcurso de um dia.
*
Não vale sermos ricos de mentira, no dia de hoje, para sermos indigentes da verdade, no dia de amanhã.
*
Ser grande, à frente dos homens, é sempre fácil.
 A astúcia consegue semelhante fantasia sem qualquer obstáculo.
*
Mas ser pequenino, diante das criaturas, para servirmos realmente aos interesses do Senhor, junto da Humanidade, é trabalho de raros.
*
Bem aventurada será sempre a pobreza que sabe se enriquecer de luz para a imortalidade, porque o rico ocioso da Terra é o indigente da Vida Mais Alta e o pobre esclarecido do mundo é o espírito enobrecido das Esferas Superiores, que será aproveitado na extensão da Obra de Deus.
==============
Emmanuel
Francisco Cândido Xavier 








segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

REGRESSÃO DA MEMÓRIA


Se fomos trazidos à Terra para esquecer o nosso passado, valorizar o presente e preparar em nosso benefício o futuro melhor, por que provocar a regressão da memória de que fomos ou fizemos, simplesmente por questões de curiosidade vazia, ou buscar aqueles que foram nossos companheiros, a fim de regressar aos desequilíbrios que hoje resgatamos?

A nossa própria existência atual nos apresentará as tarefas e provas que, em si, são recapitulação de nosso passado em nossas diversas vidas, ou mesmo, somente de nossa passagem última na Terra fixada no mundo físico, curso de regeneração em que estamos integrados nas chamadas provações de cada dia.

Por que efetuar a regressão da memória, unicamente para chorar a lembrança dos pretéritos episódios infelizes, ou exibirmos grandeza ilusória em situações que, por simples desejo de leviana retomada de acontecimentos, fomos protagonistas, se já sabemos, especialmente com Allan Kardec, que estamos eliminando gradativamente as nossas imperfeições naturais ou apagando o brilho falso de tantos descaminhos que apenas nos induzirão a erros que não mais desejamos repetir?

Sejamos sinceros e lancemos um olhar para nossas tendências.
****************************
Emmanuel  
Chico Xavier


domingo, 15 de janeiro de 2017

CORTANDO ARESTAS



Aquele que lisonjeia a si mesmo está em situação pior que o bajulador. Além de se iludir, é iludido pela sua própria incapacidade de se analisar, favorecendo o ambiente interno para a proliferação do egoísmo e, por vezes, segue vivendo este mundo fantasioso por muitos e muitos anos.

É nesta hora que reconhecemos o valor do Cristo, que chega, em silêncio, aos nossos ouvidos e ao santuário do coração, a nos dizer com firmeza e bondade: "Corta, meu filho, as tuas próprias arestas. Opera essas saliências formadas pela vaidade orgulhosa, filha do egocentrismo".

O trabalho, entretanto, é demorado e os caminhos, cheios de espinhos. O ar é pesado para a respiração da alma e os inimigos da perfeição alvoroçam-se, em todos os sentidos, para por a pique a engenhosa ideia da renovação. Se queres avançar, se não é do teu costume ficar para trás, modifica o teu modo de ser no que tange às tuas imperfeições.

Quando encontrares o teu amigo e puxares com ele conversações que te dão prazer, lembra-te do aprimoramento das ideias. Esquece os feitos dos outros, quando a conduta dos teus semelhantes não se alinhavarem com as elevadas maneiras de viver.

Falar da vida alheia é predispor todos os órgãos à enfermidade e desarmonizar todos os corpos do espírito. Existem tantos assuntos elevados para se conversar; por que o mal? A maledicência é porta aberta para a inimizade e fermento para a discórdia. Medita todos os dias sobre a natureza, pensa sempre em Deus e não te esqueças de Jesus Cristo, para que o teu esforço não fique em vão e a tua inspiração preencha o teu coração com as vibrações dos altiplanos da espiritualidade maior.

Converte a tua mente em um campo de trabalho constante. Sê um operador inteligente, cortando todas as arestas que, porventura, te façam sofrer. Planta as sementes da Verdade e do Amor, que a Caridade se tornará mais visível em todos os teus caminhos.

Observa se conversas muito diante do teu companheiro. Se não deixas que ele fale para que ouças, ficarás sem amigo para te ouvir. Quando ele estiver de posse da palavra, não te impacientes com as opiniões que emitir, pois tu também tens as tuas. Quando for a tua hora de dizer, escolhe o que vais falar, cumpre o teu dever de bom semeador, que Deus certamente cuidará de todos. Se perceberes defeito grave no teu irmão, verifica a tua conduta e vê se não fazes o mesmo. O teu confrade pode ser o teu espelho e já terá te prestado uma grande ajuda se te ajudar a melhorar.

O mundo interno é a maior extensão para quem deseja trabalhar e és o dono do teu. Deves aprender a fazer a cirurgia moral em ti mesmo. Se quiseres, o próprio tempo te ensinará esta maravilhosa arte do aprimoramento próprio. Não fujas do dever para contigo mesmo, procura ajudar-te a melhorar, a cada dia que passa.

Quando estiveres em teu lar, alimentando-te ou mesmo descansando, não incentives conversações negativas, nem acolhas momentos de lembranças desastrosas. Sê alegre na faixa da alegria pura. O humor elevado é graça agradável na graça de Deus. Conta histórias aos que convivem contigo, histórias que elevem e distraiam, ampliando, assim os teus próprios conhecimentos, que logo respirarás um ar mais leve e, como por encanto, surgirá um bem-estar mais favorável à tua paz.

Se começares, há de compreender que arestas deves cortar, para que o teu coração pulse em teu peito com mais harmonia de vida.
******************************
AUTOR: João Nunes Maia
DITADO PELO ESPÍRITO: Lancellin 
 
 




sábado, 14 de janeiro de 2017

FONTE OCULTA



Na atualidade do mundo, existem medicamentos que alienam as forças da mente, impelindo-as à prostração, mas não à tranquilidade real.

Os homens de hoje dispõem de máquinas que os auxiliam a ganhar tempo, mas não a calma, diante das provações que se lhes fazem necessárias.

Por outro lado, a fortuna amoedada, quando não dirigida para o trabalho edificante e para as realizações do bem ao próximo, é suscetível de estabelecer inquietações permanentes.

Na mesma ordem de pensamento, a força do poder, apesar das vantagens que é capaz de criar na vida comunitária, quase sempre, é um celeiro de ansiedades e incompreensões.

A paz, por isso, tão ardentemente anelada, é comparável a uma cobertura, entretecida com fragmentos de alegria, como sejam:

O retorno de uma pessoa querida, ausente desde muito.

O reajuste do equilíbrio orgânico.

A satisfação das dívidas pagas.

O abraço de um amigo.

Uma carta, mensageira de reconforto.

Alguns momentos de convívio com a Natureza.

A visão do azul no firmamento.

A presença de uma criança.

O sorriso de alguém.

O carinho de um animal que nos partilhe o ambiente.

Os momentos de oração.

A paz que jamais se compra é uma luz interior que nos clareia o caminho para o encontro do melhor que Deus nos reserva; entretanto, estejamos convencidos de que nas bases da consciência tranquila, em que a paz encontra nascedouro, jaz a fonte oculta da paciência.
*******************************
Emmanuel 
Chico Xavier
 

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Querer, Saber, Amar!


Todo o poder da Alma resume-se em três palavras: - Querer, Saber, Amar !

Querer, isto é, fazer convergir toda a atividade, toda a energia, para o alvo que se tem de atingir, desenvolver a vontade e aprender a dirigi-la.

Saber, porque sem o estudo profundo, sem o conhecimento das coisas e das leis, o pensamento e a vontade podem transviar-se no meio das forças que procuram conquistar e dos elementos a que aspiram governar.

Acima, porém, de tudo, é preciso amar, porque, sem o amor, a vontade e a ciência seriam incompletas e muitas vezes estéreis. 
 
O Amor ilumina-as fecunda-as, centuplica-lhes os recursos. 
 
Não se trata aqui do amor que contempla sem agir, mas do que se aplica a espalhar o bem e a verdade pelo mundo.
 
 A vida terrestre é um conflito entre as forças do mal e as do bem. 
 
O dever de toda alma viril é tomar parte no combate, trazer-lhe todos os seus impulsos, todos os seus meios de ação, lutar pelos outros, por todos aqueles que se agitam ainda na via escura.

O uso mais nobre que se pode fazer das faculdades é trabalhar por engrandecer, desenvolver, no sentindo belo e do bem.

Vivaz no dia em que a Humanidade tiver aprendido a comungar, pelo pensamento e pelo coração, com o foco de amor, que é o esplendor de Deus.
***************************
(Na Obra: Ser, Destino, Dor - Léon Denis)
 

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Respeita a quem te ouve



Se falas, vê quem está ouvindo e respeita a audição daquele que te tolera. A educação manda dividir o tempo de falar e de ouvir. Não sejas imprudente com o teu próximo. Não estás precisando dele para te ouvir? Por que abusar?


Nós todos precisamos uns dos outros na sequência da própria vida. O professor que não valoriza o aluno, fica no esquecimento e retarda os seus conhecimentos. O patrão que se esquece dos seus empregados perde seus tesouros. Uma nação que não cuida dos seus filhos, passa a pedir auxílio às outras que cumprem o dever para com aqueles que trabalham. O nosso próximo é a nossa primeira meta de vida.


Se desrespeitas as leis que regulam o próprio corpo físico em que habitas, este vai se reduzindo na capacidade de viver e sofre as consequências. Voltamos a dizer da necessidade da harmonia em tudo e em todo lugar em que estivermos.


A mecânica do Universo está em plena harmonia com o Criador. Se tu somente falas e exiges, desagradas a teu companheiro e ele, insatisfeito, foge da tua presença, propagando esse teu desequilíbrio. Será que não dá para veres e sentires teu procedimento de imposição?


Pensa bem no que fazes durante o dia, analisa passo a passo os teus feitos e corrige os maus hábitos, herança antiga de más companhias e de ausência de educação dos teus impulsos, que desconhecem a disciplina. Quando teus amigos forem desaparecendo, desconfia do fenômeno e passa a estudar a ti mesmo, nas variadas modalidades em que vives. Conserta o que estiver errado, apara as arestas e opera as tuas imprudências, como se fossem tumores malignos. Quem dá o primeiro alarme de teu desrespeito para com os outros são teus familiares, depois os que não te toleram. Os que te dedicam amizade mais profunda sempre se calam para não te ferir porque o Amor cobre a multidão dos pecados.



Faze a autoanálise do que pensas, do que fazes, do que falas todos os dias e jamais deixes de trabalhar por teu aprimoramento. A iluminação interna é a chave da tua própria paz. Não procures o céu fora do teu peito, pois ele mora contigo, se já não o trans- formaste em zonas inferiores. A tua felicidade depende de ti, porque a parte de Deus já foi feita. A luz existe tanto dentro do coração do santo quanto do teu, dependendo da tua vontade para acendê-la.


Somente tu és teu próprio benfeitor, no verdadeiro termo da palavra. 

Confia em Deus e parte para o trabalho em todas as diretrizes que o Amor determinar que os resultados não falharão. Se achas difícil modificar o que está feito, és uma alma que está morrendo na pauta da existência cósmica, mas é bom que te lembres de que não há morte permanente. Terás que acordar com a presença da dor, que carrega em seu carro inúmeros infortúnios e problemas sem conta para que cuides da tua própria vida, como cuidaram os que estão vivos em Cristo, na plenitude de Deus.

Quem está conscientizado do modo de viver bem, tem o maior respeito pelos que viajam com ele no mesmo caminho. Esse é o querer para nós o que desejamos para os outros, inspirado no amor a Deus sobre todas as coisas.
*************************
Miramez
João Nunes Maia 




***********************************************

É Necessário Viver o Luto para Não Viver de Luto

Acordar. Respirar. Pensar. Existir. Não há um verbo que não doa durante o luto. Talvez dormir alivie, que é quando a dor adormece. Momento em que o medo desperta: será preciso enfrentar o dia seguinte.

Perder quem amamos é morrer um pouco, mesmo que o coração insista em bater. O luto nos torna um lugar ruim. Queremos fugir de nós mesmos, emprestar outra vida, perder a memória, trocar de papel. Qualquer coisa que nos tire a dor com a mão, que nos salve do horror de sentir que alguém foi amputado de nós. Não há alívio imediato.

A morte é uma verdade disfarçada de absurdo. Não se arrepende, não volta atrás, é desfecho. O verdadeiro “para sempre”. É telefone que não toca, silêncio que ensurdece, pesadelo que não acaba, falta que jamais deixará de ser.

Enlutar-se é se mudar para uma espécie de cela blindada, da qual saímos somente para intermináveis e dolorosos banhos de sol. Uma solitária para a qual queremos voltar logo – embora triste e sombria, ela ainda é o lugar onde nos sentimos menos desconfortáveis.

Eu me lembro de vagar pela cidade como numa cena sem áudio. Olhava ao redor e me perguntava com que direito as pessoas sorriam, se dentro de mim as luzes estavam apagadas. É assim até que a gente se acostume. A morte se repete muitas vezes. Ao acordar, está lá a morte de novo. A cada lembrança, outra morte. Até que em nós ela morra de fato — e isso demora.

Quando meu filho nasceu foi parecido. Só que era vida. Toda hora a vida de novo. A cada instante olhar e ver: nasceu, é meu filho. Respira, mexe, chora, mama, é vida.

Se nascimento e morte são duas verdades que crescem diante de nós, até que possamos de fato acreditar, calhou que na vida experimentei os dois de forma simultânea. Eu estava grávida quando perdi o pai do meu filho que iria nascer. Foi viuvez, mas também foi aborto: a frase cortada em pleno gerúndio. Com o coração dele que parou de bater, morreu nosso futuro.

O que mais doía no luto era não conseguir que as pessoas sentissem a minha dor. Falei compulsivamente. Escrevi de forma obsessiva. Até que as pessoas também chorassem. E elas choraram – mais as suas dores que as minhas, é verdade, mas isso também é empatia. E quando cada momento latente de falta se transformava em um texto delicado, quando as palavras conseguiam fazer o outro vestir a minha dor, a tristeza virava alegria: que alívio me sentir compreendida. Numa espécie de alquimia incidental, transmutei dor em sorriso.

Veja você como a vida é chegada numa ironia: o luto é praticamente um parto. É preciso reaprender a viver sem a pessoa que se foi, como quem nasce de novo – e quem permanecerá o mesmo? Viver o luto é renascer – e nascer é exercício solitário. É preciso olhar o mundo novamente e reconhecer-se diante dele.

Mas, como criança que cresce, o luto demanda tempo. Enquanto isso, não sai por aí despertando sorrisos. Num mundo programado para a felicidade, o luto constrange. Abre um hiato de mal estar. A morte é certeza demasiado espinhosa para que se toque nela com naturalidade.

O momento menos solitário talvez seja a primeira semana, o primeiro mês, enquanto duram os rituais de despedida. Passam-se alguns dias e todos retomam suas vidas. Ninguém mais quer falar sobre isso. A não ser o próprio enlutado, que não quer falar de outra coisa. Agora é que a dor vai começar. E parece que não vai parar nunca. Talvez fique para sempre mesmo: a perda vai se alojando no corpo, como uma bala encapsulada, até não incomodar mais. Com paciência, o tempo muda os afetos de lugar. Passa a morar em mim quem se foi.

E então a dor me leva a outros lugares. Abre meus olhos, me ensina a mudar de assunto. E assim, distraidamente, vai me mostrando a vida de novo – agora outra, porque sempre é tempo para mudar.
A perda pede recolhimento como um pós-operatório, ou reincide. A ferida se abre de novo. É preciso respeitar o luto (e entregar-se a ele, sem medo) até que chegue sua hora de ir embora. Cada um descobre sua forma de colocar a dor para trabalhar em outra direção. A falta pode ser, então, bastante reveladora.

Quando pequenos, aprendemos com os livros infantis. Depois de adultos, as pessoas que se vão passam a nos fazer pensar sobre nossas vidas. Lembram-nos a urgência de amar quem está vivo e perto. E ensinam que fazer escolhas não precisa ser tão sofrido, nem carece do peso da certeza de ser para sempre. Nenhum de nós é para sempre.

A vida é curta, sim. Não vem com prazo de validade nem traz garantias. Cada fim de ano é oportunidade única para afetos reunidos – riso e choro, inclusive. Comemore. Mesmo com um lugar vago à mesa, a família está ali. O peru está de dar água na boca. As crianças correm lá fora. O brinde à vida não pode esperar.

Em 2008, a publicitária e escritora Cris Guerra lançou o livro “Para Francisco“, no qual apresenta ao filho o pai que ele não conheceu (Guilherme morreu no final da gravidez de Cris).

Fonte: http://vamosfalarsobreoluto.com.br

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Se você não está esperando, você não está permitindo



Esther e Jerry Hicks
(Os ensinamentos dos Abraham)

Lembre-se, cada emoção indica quanta Energia você está evocando em causa de seu desejo e quanta dessa Energia evocada você está permitindo em causa de suas crenças e pensamentos predominantes que você mantém em relação ao desejo.
 Se você está sentindo emoções fortes, positivas ou negativas, isso significa que seu desejo está
poderosamente focado e você está evocando uma grande quantidade da Fonte de Energia em direção ao seu desejo.
Quando suas emoções são fortes e trazem sentimentos ruins – como a depressão, o medo ou a animosidade – isso significa que você está oferecendo resistência a seu desejo.
Quando suas emoções são fortes e trazem bons sentimentos – como a paixão, o entusiasmo, expectativas ou amor – isso significa que você não está oferecendo resistência ao que deseja; 
assim, a Fonte de Energia que você está evocando através de seu desejo não está sendo desafiada
vibracionalmente por você – e você está permitindo a expansão de seu desejo.

Parece óbvio que a situação criativa perfeita é  realmente querer algo que você creia ser possível.
 E quando essa combinação de desejo e crença está presente em você, as coisas rápida e facilmente serão expandidas em sua experiência.
Mas quando você quer algo que não acredita ser possível, quando você mantém o desejo por
algo pelo qual não tem expectativa – embora um desejo forte o bastante possa sobrepujar uma crença frágil – ele não desabrocha facilmente, pois você não está permitindo-o em sua experiência atual.

***************
Como um ímã, você está atraindo pensamentos, pessoas, eventos, estilos de vida – tudo o que você está vivendo. Assim, quando você vê as coisas como elas são, você atrai mais delas.
Mas quando você vê as coisas como você gostaria que elas fossem, você as atrai como você gostaria que elas fossem. Por causa disso quanto melhor elas são, melhores ficarão; ou quanto piores forem, piores ficarão. As pessoas têm a tendência de olhar para o que é.
  ******************************
 

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Confiança

 
Num dia de verão...

"Num dia de verão, eu estava na praia, espiando duas crianças na areia. Trabalhavam muito, construindo um castelo de areia molhada, com torres, passarelas e passagens internas.
Quando estavam perto do final do projeto, veio uma onda e destruiu tudo, reduzindo o castelo à um monte de areia e espuma.
Achei que as crianças cairiam no choro, depois de tanto esforço e
cuidado, mas tive uma surpresa: em vez de chorar, correram para a praia,
fugindo da água, rindo, de mãos dadas e começaram a construir outro castelo.

Compreendi que havia recebido uma importante lição: tudo em nossas vidas, todas as coisas que gastam tanto de nosso tempo e de nossa energia para construir, tudo é feito de areia; só o que permanece é o nosso relacionamento com as outras pessoas.
Mais cedo ou mais tarde, a onda virá e irá desfazer o que levamos tanto tempo para construir. Quando isso acontecer, somente aquele que tem as mãos de alguém para segurar, será capaz de rir."
 **********************************
Ana Tankgirl


O LENHADOR E A RAPOSA

Existiu um Lenhador que acordava às 6 da manhã e trabalhava o dia inteiro cortando lenha, e só parava tarde da noite.

Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses, e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Todos os dias o lenhador ia trabalhar e deixava a raposa cuidando de seu filho. Todas as noites ao retornar do trabalho, a raposa ficava feliz com sua chegada. Os vizinhos do Lenhador alertavam que a Raposa era um bicho, um animal selvagem; e portanto, não era confiável. Quando ela sentisse fome, comeria a criança. O Lenhador sempre retrucando com os vizinhos, falava que isso era uma grande bobagem. A raposa era sua amiga e jamais faria isso.
 Os vizinhos insistiam:

- "Lenhador abra os olhos ! A Raposa vai comer seu filho."
- "Quando sentir fome, comerá seu filho ! "

Um dia, o Lenhador muito exausto do trabalho e muito cansado desses comentários - ao chegar em casa viu a Raposa sorrindo como sempre e sua boca totalmente ensanguentada ... 
O Lenhador suou frio e, sem pensar duas vezes, acertou o machado na cabeça da raposa.

Ao entrar no quarto desesperado, encontrou seu filho no berço dormindo tranquilamente e ao lado do berço uma cobra morta. 
O Lenhador enterrou o Machado e a Raposa juntos.

Se você confia em alguém, não importa o que os outros pensem a respeito, siga sempre o seu caminho e não se deixe influenciar..., mas principalmente, nunca tome decisões precipitadas... 
**************************
  Texto extraído da lista espiritualismo@egroups.com
Confia Sempre...





segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Mensagens sobre Melindre

Melindre: Afetação, facilidade de magoar-se, suscetibilidade, delicadeza no trato.
Sinônimo: ressentimento.



Em nosso entendimento, um dos maiores entraves para o nosso desenvolvimento é o melindre.

O melindre é o verdadeiro vírus da discórdia. Ele ataca sorrateiramente a todos aqueles que, invigilantes, dão valor maior do que o devido a si mesmo. O amor próprio tem um limite.

Ter amor próprio na dose certa é importante. Precisamos nos amar, cuidar de nossa boa aparência e gostar de nós mesmos.

Esse amor não pode superar o limite do razoável. Quando passamos a nos julgar superiores a nossos irmãos, avançamos para a vaidade, para o orgulho, para a falsa superioridade. Ao atingir esse estágio perigoso, todas as ideias, observações ou palavras de nossos semelhantes que são contrárias ao nosso ponto de vista nos machucam muito.

Surge então o melindre. Não admitimos ser contrariados. Não aceitamos opiniões diferentes. Nos enchemos de mágoa, de não me toques. E o pior é que isso nos entristece, nos tira do equilíbrio, trazem consequências físicas e afetam profundamente nosso relacionamento com pessoas queridas.

A mágoa destrói nossas resistências orgânicas. Ela obstrói os nossos canais responsáveis pela circulação sanguínea e pelo equilíbrio de nosso corpo físico.

O melindre é causa de muitas discussões que poderiam ter sido evitadas. Bastaria uma atitude de tolerância, de compreensão. Todos nós, espíritos ainda imperfeitos vivendo na Terra, estamos sujeitos a ter atitudes e a falar palavras ofensivas a nossos irmãos, e que a tolerância mútua e o perdão podem transformar em coisas banais e sem importância os episódios que julgamos terríveis ofensas que nos fazem.

Uma pequena discussão entre marido e mulher pode trazer muita discórdia e até separações por causa do melindre. Tolerância é ainda o melhor remédio para a manutenção da paz nos lares.

O mesmo acontece entre pais e filhos, entre irmãos e entre amigos, muitas vezes provocando o afastamento de pessoas que se amam, apenas por terem se deixado levar pelo melindre. Muitas entidades religiosas respeitáveis e até instituições espíritas podem ser atingidas por esse terrível vírus.

Temos que combater esse mal. O caminho para isso é seguir os ensinamentos e o exemplo de Jesus.

Vamos contar até dez, respirar fundo, combater o ato de nos julgar superiores, ouvir o que o outro nos fala, ponderar com calma sem alterar a voz, analisar todos os ângulos do que diz nosso oponente, são algumas coisas que podemos fazer para sufocar nosso amor próprio ferido. Lembremos de que não somos o centro do universo, e que todos podem ter opiniões diferentes sobre qualquer assunto.

Nosso grande erro é querer impor a nossa verdade ao nosso semelhante. E gritamos. E nos descontrolamos.
**************
Ary Brasil Marques
**************************************************
Vencendo o melindre

Precisamos de muita cautela ao falarmos sobre melindre, pois, muitas vezes, esta palavra nos serve como pretexto para encobrir nossos desejos e atos egoísticos.

Uma pessoa melindrosa é aquela que se ofende e se magoa com facilidade. Aborrece- se com tudo e com todos, sem que haja grandes motivos para isto. Guarda ressentimento por longo tempo, pois enxerga maldade em todas as atitudes que contrariam seu modo de pensar ou agir. É incapaz de compreender, aceitar e perdoar as faltas dos seus semelhantes. Uma pessoa melindrosa não busca esclarecer os pontos obscuros de uma determinada situação, preferindo julgar-se injustiçada e incompreendida.

Melindrar-se significa perder ótimas oportunidades de crescimento e aprendizado pois, aquele que se melindra, não consegue distinguir o certo do errado, o que é bom do que é ruim. Se alguém não lhe cumprimenta, seu primeiro impulso é julgar esta pessoa antipática ou mal educada, sendo incapaz de pensar que ela, assim agiu, talvez por vergonha ou timidez. Se alguém lhe dirige uma palavra mais áspera, entristece-se e revolta-se, mas, em momento algum, procura identificar os motivos que levaram esta pessoa a agir desta forma.

Quando nos sentimos ofendidos ou ficamos magoados facilmente, aqueles que nos rodeiam afastam-se de nós, pois nunca sabem o que dizer ou o que fazer para nos agradar. Sabem que uma palavra mal colocada pode nos trazer grandes aborrecimentos. Passamos a ser um problema na vida daqueles que convivem conosco diariamente. Tornamo-nos pessoas amargas e, consequentemente, solitárias.

Mas, se por um lado, existem aqueles que se magoam com facilidade, também existem os que, “auxiliados pelo melindre”, ofendem facilmente. Impõem suas opiniões arbitrariamente, não aceitando pontos de vista diferentes dos seus; quando chamadas a orientar ou aconselhar, escolhem palavras duras e agressivas; não sabem ser compreensivas e amáveis com aqueles que lhes procuram.

Muitas vezes, agimos desta forma com nossos semelhantes, sem nos darmos conta deste nosso comportamento. E como estamos sempre acostumados a encontrar justificativas para todas nossas ações, denominamos melindrosas estas pessoas que, cansadas de nosso mal humor, decidem se afastar. Se não devemos mais sentirmo-nos melindrados, muito menos devemos ser os causadores das mágoas dos que nos rodeiam.

Para encerrar, lembremo-nos de que a melhor forma de vencermos nossos melindres, bem como de evitar ficarmos ofendidos, é sempre buscar uma justificativa para o comportamento de nossos semelhantes. Assim nos orienta Lourival Lopes em Gotas de Esperança:

“Se alguém o vê e não o cumprimenta, pense: ele não me conheceu. Se o conhece: ele não me viu. Se o viu: ele está distraído. Se virou o rosto: ele está com problemas. Se o tratou secamente: ele está infeliz. Se o tratou formalmente: ele deve ter suas razões. Se o ofendeu: ele está doente. A todos, indistintamente, deseje: Deus lhe dê a paz”.
***************************
Autoria: Alexandre Ferreira

 Síndrome do Melindre
 
Não se deve comprometer a causa simplesmente para atender aos caprichos de alguém

Os melindres são os verdadeiros fantasmas de um Centro Espírita. Associado às mágoas e ressentimentos, contribuem para fragilizar os laços humanos. Kardec nos falou, em dois momentos, sobre esse fantasma. Destacamos, primeiramente, o escrito em Obras Póstumas (1ª Parte – O Egoísmo e O Orgulho): "A exaltação da personalidade leva o homem a considerar-se acima dos outros. Julgando-se com direitos superiores, melindra-se com o que quer que, a seu ver, constitua ofensa a seus direitos."

Obviamente, Kardec relaciona o melindre como decorrência do orgulho ferido, associado a um sentimento de inflação do ego. Num segundo momento, em discursos pronunciados nas Reuniões Gerais dos Espíritas de Lyon e Bordeaux afirma: "Há, ainda, aqueles cuja susceptibilidade é levada ao excesso; que se melindram com as mínimas coisas, mesmo com o lugar que lhes é destinado nas reuniões, se não os põem em evidência(...)".

Pode-se compreender o melindre, pelo viés psicológico, como um artifício usado pelo ego para preservar sua própria identidade. De tal forma, que quando o ego se sente "ameaçado" (ou desestabilizado por algo ou alguém), reage através de um "fechamento psíquico", de um retraimento emocional, visando preservar, numa atitude defensiva e imatura, as estruturas (orgulho, vaidade...) do próprio Eu.

Em certa Sociedade Espírita, um trabalhador tinha por hábito, no momento do passe, apertar a cabeça dos atendidos com as mãos. Imagine! Sendo alertado (educadamente) por um dirigente da Instituição, que tal prática não se coaduna com os ensinos espíritas, ficou... "melindrado". Em um grupo de estudos, alguém ao fazer a leitura de O Livro dos Espíritos, leu errado uma palavra. Um dos integrantes lhe corrigiu, naturalmente. A pessoa se melindrou e quase abandonou o estudo. Poderíamos ficar exaustivamente citando inúmeros exemplos.

Quando a pessoa se sente melindrada, deve se questionar sobre isso. O certo é que o melindre está associado, no mínimo, a três elementos básicos: orgulho ferido, insegurança pessoal e baixa autoestima. Dessa forma, o melindre seria um primeiro estágio de outros sentimentos que poderão se seguir, como a mágoa, o ressentimento, a raiva e até a agressividade.

Há determinadas contingências que podem tornar a pessoa mais propícia ao melindre, como estresse, separação conjugal, problemas familiares, desemprego, a experiência de uma frustação, etc.

O fortalecimento emocional e espiritual é imperativo para o enfrentamento de tais desafios. O melindre e seus derivados, quando não administrados, significam a negação do próprio sujeito, enquanto ser que possui responsabilidades por sua evolução.

Mas Allan Kardec também nos fala da "indulgência recíproca" que deveria mover os seres humanos, situados num patamar de incompletude espiritual. Indulgência para com as imperfeições dos outros não é sinônimo de inoperância diante do erro. Ou seja, no grupo espírita não é razoável, diante de algo que esteja errado, fazer-se silêncio, simplesmente, para não "melindrar" este ou aquele. O compromisso maior de todos é com a Doutrina Espírita em primeira instância, e com a instituição
em segunda.

A forma de abordagem é que deve estar fundamentada na indulgência, não o erro. A grande questão é que necessitamos dissipar essas relações melindrosas e inócuas, que em nada contribuem para a vida de relação, substituindo-as por atitudes verdadeiramente cristãs. O Espiritismo é uma doutrina de vida para "uso diário".

Quando percebermos que é forte o impulso para melindrar-nos ou magoar-nos, busquemos o recurso da oração, imediatamente, a fim de administrarmos mentalmente esses corrosivos sentimentos, adversários da paz. A oração é valioso recurso para a manutenção do equilíbrio da alma, pois potencializa o pensamento para os ângulos positivos da vida, buscando a serenidade das emoções.

Portanto, há duas questões fundamentais: a responsabilidade de administrarmos esses sentimentos em nós, e como agirmos diante dos melindres alheios. Somos de opinião que não devemos ter, na Casa Espírita, uma preocupação exagerada com os melindres e os melindrosos para não nos tornarmos reféns deles. Exige-se, como é natural em qualquer outra instituição, que se discuta fraternamente projetos, metas, trabalhos, questões doutrinárias etc., que se busque dar cumprimento aos normativos da instituição, tais como o Estatuto e o Regimento Interno. As atividades de qualquer Centro Espírita necessitam obedecer a certas disciplinas, e os trabalhadores e estudantes necessitam estar inseridos nesse contexto para o bom funcionamento da instituição. Tudo isso sem dogmatismos, sem autocracias ou fundamentalismos. Jamais, sob qualquer pretexto, poderá se cercear a liberdade de pensamento e expressão de quem quer que seja.

Todavia, deixar de cumprir os normativos, sob pretexto de "não melindrar" este ou aquele indivíduo é, no mínimo, um despropósito associado à irresponsabilidade daqueles que possuem a função de administração. Tornar-se omisso para não se "indispor" com alguém, é uma postura totalmente equivocada, fundada numa lógica perversa, que contribui para aumentar os problemas da Instituição. Arrolam-se desculpas do tipo: "necessitamos ser tolerantes", "caridosos", "pacientes"... E, enquanto demonstramos nossas "virtudes" (desvirtuadas) para não ferirmos as "almas frágeis" de nosso Centro, a disciplina, os desvios doutrinários, as inoperâncias, os desvios monetários, assolam livres.

Torna-se necessário pensarmos sobre os limites da "tolerância" no âmbito das Casas Espíritas. Não se trata, obviamente, da adoção por parte dos dirigentes, como já observamos, de posturas fundamentalistas ou verticalizadas. A tolerância com quem está seriamente comprometido com a Causa tem seus limites naturais. Não se deve comprometer a Causa, simplesmente para atender aos caprichos de alguém. Uma orquestra necessita, para o grande concerto, estar o mais bem afinada possível. Aquele candidato a músico que não aprendeu a tocar para estar em sintonia com o conjunto não poderá participar diretamente do concerto.

Por isso, trabalhadores e estudantes que não estejam afinados com o grupo e com a orientação doutrinária e/ou administrativa, melindrando-se com facilidade diante dos mínimos eventos, terminam por afastarem dos labores assumidos. É necessário respeitar a decisão de cada um.

A filosofia da convivência implica numa ética do cuidado. Assim como a permissividade ou a indiferença projetam seus frutos negativos para a instituição, da mesma forma deve-se cuidar com a síndrome da intolerância. Em tudo na vida o bom senso é imperativo para uma performance positiva. Constata-se atualmente uma cultura dos extremos, dos "oito ou oitenta", tudo em nome de uma busca por afirmação, muitas vezes, do próprio narcisismo.

Associado, por extensão, aos melindres e mágoas, encontra-se o ressentimento. A psicanalista Maria Rita Kehl, em seu livro sobre o assunto, analisa o que denomina de "ganhos
subjetivos do ressentimento". Para ela, o ressentido é um vingativo não declarado. Mas também é alguém que atribui sempre a um outro a culpa por seus agravos. O ressentido assume papel de vítima e, com isso, foge das responsabilidades que cabem no processo. Aí estão os ganhos do ressentimento! Revestir-se da vitimização, criar a figura de um culpado exclusivo para manter-se numa postura cômoda de alguém livre de responsabilidades. É sem dúvida, um mecanismo perverso do Eu (conscientemente ou não) que denota um nível de imaturidade psicológica associada a uma morbidez da alma.
***************************
( Do livro: A convivência na Casa Espírita: reflexões e apontamentos com base nas instruções de Allan Kardec, de Jerri Roberto Almeida.Porto Alegre: Editora Francisco Spinelli, 2ª ed, 2011, pag. 57 a 61).

*********************************************************

A ARTE DE NÃO SE IRRITAR
(Autor desconhecido)
Fonte FEAL

Em uma cidade interiorana havia um homem que não se irritava e não discutia com ninguém. Sempre encontrava saída cordial, não feria a ninguém, nem se aborrecia com as pessoas. Morava em modesta pensão, onde era admirado e querido.

Para testá-lo, um dia seus companheiros combinaram levá-lo à irritação e à discussão numa determinada noite em que o levariam a um jantar. Trataram todos os detalhes com a garçonete que seria a responsável por atender a mesa reservada para a ocasião.

Assim que iniciou o jantar, como entrada foi servida uma saborosa sopa, que o homem gostava muito. A garçonete chegou próxima a ele, pela esquerda, e ele, prontamente, levou seu prato para aquele lado, a fim de facilitar a tarefa. Mas ela serviu todos os demais e, quando chegou a vez dele, foi embora para outra mesa.

Ele esperou calmamente em silêncio que ela voltasse. Quando se aproximou outra vez, agora pela direita, para recolher o prato, ele levou outra vez seu prato na direção da jovem, que novamente se distanciou, ignorando-o. Após servir todos os demais, passou rente a ele, acintosamente, com a sopeira fumegante, exalando saboroso aroma, como quem havia concluído a tarefa e retornou à cozinha.

Naquele momento não se ouvia qualquer ruído. Todos observavam discretamente, para ver sua reação.

Educadamente ele chamou a garçonete, que se voltou, fingindo impaciência e lhe disse: o que o senhor deseja?

Ao que ele respondeu, naturalmente: a senhora não me serviu a sopa.

Novamente ela retrucou, para provocá-lo, desmentindo-o: servi sim senhor!

Ele olhou para ela, olhou para o prato vazio e limpo e ficou pensativo por alguns segundos.

Todos pensaram que ele iria brigar. Suspense e silêncio total.

Mas o homem surpreendeu a todos, ponderando tranquilamente: a senhorita serviu sim, mas eu aceito um pouco mais!

Os amigos, frustrados por não conseguir fazê-lo discutir e se irritar com a moça, terminaram o jantar, convencidos de que nada mais faria com que aquele homem perdesse a compostura.

Bom seria se todas as pessoas agissem sempre com discernimento em vez de reagir com irritação e impensadamente.

Ao protagonista da nossa singela história, não importava quem estava com a razão, e sim evitar as discussões desgastantes e improdutivas.

Quem age assim sai ganhando sempre, pois não se desgasta com emoções que podem provocar sérios problemas de saúde ou acabar em desgraça. Muitas brigas surgem motivadas por pouca coisa, por coisas tão sem sentido, mas que se avolumam e se inflamam com o calor da discussão. Isso porque algumas pessoas têm a tola pretensão de não levar desaforo para casa, mas levam para a prisão, para o hospital ou para o cemitério.

Por isso a importância de aprender a arte de não se irritar, de deixar por menos ou encontrar uma saída inteligente como fez o homem no restaurante.

A pessoa que se irrita aspira o tóxico que exterioriza em volta, e envenena-se a si mesma.

*********************************************************
MELINDRE

A partir dessa história examinemos a questão do melindre que é um comportamento de quem se ofende com muita facilidade e sente-se ferido no amor. Até na mais simples negativa acaba magoado o que denota possuir desequilíbrio em sua autoestima.

Dependendo do temperamento do melindroso existem diferentes formas de reação.

Existe o melindroso agressivo que ao não aceitar as negativas que recebe geralmente rebate com ataques e justificativas, além de apontar os erros alheios.

Existe também o melindroso tipo planta “dorme-maria” que em qualquer toque que receba murcha por inteiro. Possui a tendência de se desequilibrar energeticamente, geralmente fica amuado, calado e fecha a cara como se estivesse de mal com alguém.

O melindroso deve desarmar o seu arsenal de mecanismos de defesa e ser humilde e ponderado em relação às mensagens alheias que recebe.

A humildade é necessária para ultrapassar as diversas contrariedades que surgem na vida. Devem ser analisadas friamente considerando a possibilidade de erro que exigirá mudança comportamental às vezes simples e em outras nem tanto.

Veja, portanto, essa questão do melindre. Usualmente quando falamos desse assunto as pessoas logo imaginam o outro com esse comportamento. Podemos ser os melindrosos, entretanto dificilmente reconhecemos ter essa condição.

Deixa de ser natural reagir como os melindrosos, pois reagem por qualquer coisa, explodem, estouram, entregam-se às justificativas enquanto se irritam.

O primeiro passo a ser considerado é termos o equilíbrio necessário para reconhecer se estamos ou não nessa categoria de pessoas melindrosas que se ofendem com grande facilidade diante de adversidades muitas vezes insignificantes.

Ao nos comportar dessa forma criaremos dificuldades para outros se aproximarem de nós. Com isso surge uma barreira para que possamos enriquecer a relação de amigos ao reduzir o contato com as pessoas.

Isso aponta para a necessidade de sermos humildes para verificar até que ponto agimos dessa forma, nos ofendendo de maneira sistemática e constante, fazendo com que as pessoas tenham desprazer de manter contato conosco. Fica muito complicado quando a convivência é estabelecida de forma constante como acontece no lar e no ambiente que trabalhamos.

Pode acontecer que num dado momento acabemos por ficar isolados porque as pessoas poderão evitar ao máximo o convívio conosco. De outro lado, é necessário também desenvolver habilidade para saber lidar com as pessoas que são melindrosas.

RESILIÊNCIA


Examinemos a resiliência que é o oposto do melindre que é um termo apropriado da física. Ela é a propriedade que alguns corpos possuem de retornar à forma original após serem submetidos a uma deformação elástica.

Uma mola, por exemplo, tem essa característica, pois pode ser comprimida e sem essa pressão volta para sua condição original.

A resiliência na psicologia e em nossos relacionamentos ganha um sentido figurado que devemos entender como a capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar as más sortes e mudanças.

Mesmo diante dos desafios, constituídos por situações adversas, ganhamos a capacidade de restabelecer o equilíbrio com maior facilidade que permite recuperar nossas condições naturais.

Ser resiliente é:

· Poder atravessar crises e adversidades sem se deixar abater por elas;

· Conseguir sair das crises mais forte, embora possa estar ferido;

· Poder ressignificar o sofrimento e as adversidades e transformá-las em aprendizado para a vida;

· Poder manter e alimentar a fé e a esperança de que as coisas vão melhorar;

· Saber que você participa da construção da sua própria história;

· Buscar apoio e um ombro amigo nas horas difíceis;

· Olhar a situação de vários ângulos e escolher o melhor;

· Enxergar o copo meio cheio e não meio vazio;

· Resgatar os vínculos significativos da sua história e mantê-los ao seu alcance na memória;

· Saber que você não é um ser sozinho no mundo, mesmo que possa parecer;

· Se manter conectado à sua essência é aquilo que realmente importa para você na vida;

· Ser firme como as montanhas, suave como o vento e maleável como o bambu;

· Alimentar as atitudes positiva e deixar morrer de fome as negativas;

· Utilizar o potencial criativo;

· Acreditar na vida, nas pessoas e em você mesmo;

· Descobrir recursos e habilidades antes insuspeitados;

· Olhar pra frente e continuar seguindo adiante, a despeito das dificuldades, crises e adversidades.

A partir do desenvolvimento dessas condições ganhamos a capacidade semelhante a da mola que comprimida volta ao estado natural ao cessar a compressão. Isso significa que submetidos às condições adversas restabeleceremos nosso equilíbrio e retomamos a condição original.

ASSERTIVIDADE

Como oposto de melindre podemos também considerar a assertividade.

A postura assertiva é uma virtude, pois se mantém no justo meio termo entre dois extremos inadequados: agressão e submissão. Sermos assertivos é ganharmos uma condição onde não sejamos agressivos e tampouco assumirmos condição de passividade e submissão com as pessoas.

Para se tornar assertivo é necessário fortalecer as atitudes bases para o comportamento assertivo, sem elas é impossível desenvolver relação onde a expressão de nosso “eu” se dá sem que se massacre o “eu” dos outros. Vejamos o que é necessário para desenvolver a assertividade valendo-nos da contribuição de Vera Martins, segundo seu livro Seja Assertivo, Editora Campus.

AUTOESTIMA

A autoestima origina-se da imagem que temos de nós mesmos. É a reputação vista por nossos próprios olhos, é o que pensamos e sentimos sobre nós. A qualidade da autoestima depende de cada um, depende da aceitação, confiança e respeito que temos por nós.

DETERMINAÇÃO


É uma energia que faz termos coragem para ir em frente e não desistir perante os obstáculos. É ter foco e clareza sobre onde quer chegar.

EMPATIA

É colocar-se no lugar do outro mentalmente e sentir o que o outro está sentindo numa determinada situação. Somente pessoas maduras conseguem estabelecer empatia.

ADAPTIVIDADE

Adaptividade é adequar o estilo de comunicação e entrar em sintonia com nosso interlocutor seja uma criança, um idoso, tenha nível cultural alto ou baixo. Se procurarmos entender e nos ajustar à percepção do outro assumimos condição que irá favorecer como lidar com as pessoas que tenham alto índice de melindre. Ouvir considerar o outro é uma forma de desarmar aquele que se ofende com grande facilidade.

AUTOCONTROLE

Autocontrole é assumir que o ser humano é bastante emocional e usar a racionalidade para gerenciar as emoções para não perder o controle das situações. Como acontece na história da sopa que não foi servida.

TOLERÂNCIA ÀS FRUSTRAÇÕES

Tolerância às frustrações é aceitarmos que não é possível ouvir apenas “sins”, pois existem os “nãos” que são pertinentes e justos, significa aceitar a diversidade humana.

SOCIABILIDADE

Sociabilidade é gostar de estar com pessoas, é se preocupar com o bem estar do outro assim como nosso próprio, é tratar os outros com naturalidade e sem ideias preconcebidas.

TRÊS CONDIÇÕES

Além dessas atitudes existem três condições para ser assertivo:

a) Saber o que quer e aonde quer chegar;

b) Partir de um pensamento positivo;

c) Ser proativo para atingir os resultados. Proativo é aquele que escolhe agir, abandona o hábito ainda profundamente arraigado de reagir diante das circunstâncias.

A IMPORTÂNCIA DO TEMA ABORDADO


O tema “Melindre, resiliência e assertividade” reveste-se de grande importância ao realçar para que sejamos pessoas agradáveis.

Não seremos agradáveis se qualquer coisa que os outros fazem, falam ou que deixam de fazer nos afetar profundamente. Ao afetar reagimos de maneira negativa ou de nos recolhermos evitando a convivência.

Convém desenvolver a capacidade de sermos autênticos, abertos e saber lidar com as adversidades que surgem em grande quantidade nos relacionamentos. Lamentavelmente são habilidades nem sempre consideradas de maneira adequada.

Portanto, para que possamos ter uma resposta positiva para o melindre desenvolvamos a resiliência que é a capacidade de voltarmos a condição de equilíbrio diante das dificuldades e sermos assertivos que é uma posição em que não há agressividade e tampouco passividade ou submissão.
**********************
FEAL
 

domingo, 8 de janeiro de 2017

Mensagens sobre Paciência

Imperativo da Paciência 


Provável que raros amigos pensem nisto: paciência por imunização contra o suicídio.
*
Nas áreas da atividade humana, bastas vezes, surgem para a criatura determinados topos de provação para cuja travessia, nem sempre bastará o conhecimento superior. É necessário que a alma se apoie no bastão invisível da paciência, a fim de não resvalar em sofrimentos maiores.
Eis porque nos permitimos endereçar reiterados apelos aos irmãos domiciliados no Plano Físico a fim de que se dediquem ao cultivo da compreensão.
*
Se te encontras sob o impacto de conflitos domésticos, ante aqueles que se façam campo de vibrações negativas, usa a tolerância, quanto possível, em auxílio à segurança da equipe familiar a que te vinculas.
*
Nas decepções, sejam quais forem, reflete no valor da ponderação em teu próprio benefício.
*
Diante de golpes que te sejam desfechados, esquece injúrias e agravos e pensa nas oportunidades do trabalho que se te farão apoio defensivo contra o desespero.
*
Sob acusações que reconhece imerecidas, olvida o mal e não alimentes o fogo da discórdia.
*
Quando te falte atividade profissional, continua agindo, tanto quanto puderes, nas tarefas de auxílio espontâneo aos outros, aprendendo que atividade nobre atrai atividades nobres e, com isso, para breve, te reconhecerás em novos posicionamentos de serviço, segundo as tuas necessidades.
*
Se o desânimo te ameaça por esse ou aquele motivo, recorda a importância de teu concurso fraterno, em apoio de alguém, e não te dês ao luxo de paradas improdutivas.
*
Em qualquer obstáculo a transpor no caminho, conserva a paciência por escora e guia e, de pensamento confiante na Divina Providência, seguirás adiante, afastando para longe a tentação da fuga e reconhecendo, em tempo estreito, que há sempre um futuro melhor para cada um de nós e que, em todas as tribulações da existência, vale a pena esperar pelo socorro de Deus.
* * * 
Emmanuel
Chico Xavier

PACIÊNCIA
Ter Paciência
Paciência de Jó
  SE  TIVERES  PACIÊNCIA
 

sábado, 7 de janeiro de 2017

Mensagens sobre PAZ

Paz e Renovação
 

"Se te decides, efetivamente, imunizar o coração contra as influências do mal, é necessário que te convenças:

– Que todo minuto é chamamento de Deus à nossa melhoria e renovação.

– Que toda pessoa tem importância em nosso caminho.

– Que o melhor processo de receber auxílio é auxiliar em favor de alguém.

– Que a paciência é o principal ingrediente na solução de qualquer problema.

– Que sem amor não há base firme nas construções espirituais.

– Que o tempo gasto em queixa é furtado ao trabalho.

– Que desprezar a simpatia dos outros, em nossa tarefa, é o mesmo que pretender semear um campo sem cogitar de lavrá-lo.

– Que não existem pessoas perversas e sim criaturas doentes a nos requisitarem amparo e compaixão.

– Que o ressentimento é sempre foco de enfermidade e desequilíbrio.

– Que ninguém sabe sem aprender e ninguém aprende sem estudar.

– Que, em suma, não basta pedir aos Céus, através da oração, para que baixem à Terra, mas também cooperar, através do serviço ao próximo, para que a Terra se eleve igualmente para os Céus."
 **************
Emmanuel 
 
 
 
 

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Mensagens sobre PERDÃO

 Perdão Sempre


 Quem deseje encontrar paz na vida, perdoe as provas que a vida nos apresenta.

***
Se procuramos a paz com os amigos, perdoemos a todos sem reclamar as faltas que nos ofertem.

***
Se desejamos a paz com os vizinhos, tratemos a todos eles com a bondade e a distinção com que desejamos ser tratados.

***
Se desejamos a paz com a natureza, procuremos agir com ela dentro do equilíbrio com que somos por ela beneficiados.

***
Se desejamos obter a paz com os inimigos, abençoemos a todos eles como ansiamos ser por eles abençoados.

***
Se queremos a paz com os animais, respeitemo-los como aspiramos ser por eles respeitados.

***
Se queremos a paz com a própria saúde, protejamos o corpo que nos serve de moradia como precisamos ser protegidos.

***

Se queremos a paz com as criaturas infelizes, tratemo-las todas com o amparo que venhamos a precisar recolher de cada uma delas.

***
Se queremos encontrar a paz da felicidade, saibamos repartir com os outros os melhores sentimentos do coração, com a mesma esperança de que algum dia venhamos a precisar do auxílio de qualquer um deles.
***

Se sonhamos guardar conosco a paz de Deus, procuremos trazer a nossa consciência ligada ao Amor Infinito, com a fé vigorosa com que somos chamados a viver cumprindo os desígnios de Deus.
****************
Emmanuel
Chico Xavier

Perdão na Intimidade

Perdão das Ofensas: Uma Atitude Inteligente

Perdão

Orar e Perdoar

O Porquê do Perdão

Perdoar ll

Perdoa-te

Perdoar lll

**********************************


quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Depressão e o Sentido da Vida




Estranhamente, a depressão é um convite da Vida ao contato do indivíduo com seu inconsciente para que algo internamente se transforme. Nela, forças internas se digladiam na tentativa de alterar a ordem vigente, a serviço da Vida que precisa aconte­cer. A luz característica do mundo externo, com seus objetos, processos e pessoas, os quais traziam motivação ao indivíduo, perde seu brilho, pois este é ofuscado por algo interno que exige atenção.

A depressão é um conjunto de desistências que enfraquecem o sentido e o objetivo que se tinha com a própria vida. É uma perda consciente da energia de viver.

Tais desistências são como protestos provocados por algo inconsciente que estava sendo esquecido. É a vida interna querendo ser vivida, infelizmente em prejuízo da vida ex­terna, por falta de percepção adequada da pessoa.

Na depressão, o ego penetra perigosamente no inconsciente, fincando pequenas raízes que o retêm por tempo demasiado, sugando-lhe a energia de viver a vida externa. O receio de encarar seus próprios desafios o faz permanecer um tempo mais do que o suficiente vinculado a um complexo inconsciente.

Uma alquimia interna se realiza na depressão, na qual se fundem desejos, emoções e ideias que se tornam maiores do que o próprio indivíduo, tornando sua personalidade inábil para a vida externa. O indivíduo sucumbe a si mesmo, numa morbidez típica, que lhe suga as energias fomentadoras de experiências relacionais. A vida toma direção contrária ao processo de conexão com experiências externas, geralmente transformado­ras e eliciadoras de novas atitudes.

No entanto, o que parece ser doentio tem sua face saudável. O que jaz no inconsciente não morreu. Ali está, à espera de transformação. Não se deve condenar a doença por ela existir, pois se trata de um mecanismo de equilíbrio da Vida, para que a vida se realize. O contato com o inconsciente visando a fuga da consciência é prejudicial. Quando o contato é feito objetivando a ampliação da consciência e seu necessário amadureci­mento para o enfrentamento da vida e de seus desafios, ele proporciona evolução da personalidade.

Na depressão, o sentido da vida se polariza na direção oposta à extroversão da libido, pois esta é usada pelo complexo inconsciente não dissolvido. O conteúdo desse com­plexo está diretamente relacionado ao sentido da vida.

Alcançar esse complexo será fundamental, não só para o restabelecimento da saúde psíquica do indivíduo, como também para uma melhor percepção do sentido da vida. É sempre desejável que o indivíduo que sai de uma depressão, sinta-se muito melhor e mais maduro do que antes de entrar. Quando tal acontece, a depressão cumpriu seu objetivo. A depressão é um desafio à personalidade que se recusa a viver, permanecendo parali­sada por medo de sofrer ou de perder o que conquistou. 

Quando a pessoa permanece na doença, sofre e perde do mesmo jeito. Não há saída melhor do que enfrentar o que pa­rece ser aversivo.

A personalidade que permanece na depressão nem sempre sabe quando entrou, porém deseja logo dela sair.

 Infelizmente, não percebe que seu desejo muitas vezes situa-se num campo mágico de soluções imediatistas, sem o necessário contato com o inconsciente. O sentido da vida está à espera de ser desvendado para o alívio e crescimento do depressivo. Sua inércia o impede de subir um degrau além da ignorância sobre si mesmo.

As noites mal dormidas, a tristeza persistente, a falta de desejo, bem como o sentimento de desesperança, são companheiros tenazes do depressivo. Tudo isso porque não pre­tende entrar em contato consigo mesmo e dar um grande salto evolutivo. Romper com o egocentrismo, saindo da acomodação, é fundamental.

Um dos destinos do depressivo, que se demora no contato inconsequente com seu in­consciente e que evita a vida, é o atraso em relação aos seus entes mais queridos.

Todos se vão, realizando suas vidas e ele fica à espera de que se voltem para ele.

A depressão deve levar o indivíduo para além de onde ele esteve. Só ele sabe que pre­juízo psíquico ela lhe trouxe.

Razão pela qual deve tirar proveito de ter ido ao “fundo do poço”. A causa considerada pelo próprio depressivo como o motivo principal de seu estado deve ser o ponto para o qual sua atenção deve se voltar. É nela que está a saída. Sobre ela devem ser feitas reflexões. Deve ele se perguntar até esgotar todas as respostas: O que a Vida quer me ensinar com isso? Enquanto não houver uma resposta que modifique o estado de espírito do indivíduo, a reflexão deve continuar.

A saída da depressão pode se dar através de diferentes maneiras e tratamentos. O me­lhor deles é quando o próprio indivíduo compartilha seu problema com alguém; quando divide o que lhe pesa, saindo do casulo para um entendimento com outra pessoa. Tal compartilhamento é o início do processo de cura. Dividir um conflito com alguém é multiplicar as chances de solução.

No fundo, o depressivo quer uma solução, mesmo que tenha a consciência de que está fugindo. Não sabe ele que sua pretensão maior só se dará quando decidir abandonar seu egocentrismo. Seu “fundo do poço” é seu isolamento total com respectivo sentimento de inutilidade.
Esse sentimento deve ser combatido com a humildade, pois se trata de uma exigência muito grande para consigo mesmo. Seu alto nível de exigência o impede de enfrentar a derrota ou a perda consciente, que são processos coletivos pelos quais todos passam. 

O mito pessoal do depressivo se aproxima do tema do “patinho feio”, cujo desfecho é descobrir a beleza de ser um cisne. Até lá, passará por muitas provas e dificuldades, cujo término coincidirá com a descoberta de si mesmo.

Não é fácil aproveitar a depressão para crescer, mas é perfeitamente pertinente, estando em seu início, lembrar-se de que há, em curso, um convite da Vida para a renovação interior.
 ***********************************
Adenáuer Novaes

10 PASSOS IMPORTANTES PARA VENCER A DEPRESSÃO